Parla!

Agora sim você pode visitar uma exposição minha (tá, não só minha, mas enfim) gritando “seu demagogo sofista!” com o dedo indicador direito em riste enquanto segura uma coxinha com a mão esquerda, porque finalmente estarei no Espaço Piloto expondo Arte! com outros formandos a partir do dia 27 de agosto. Olha aí uma foto:

Não do desenho inteiro, preciso criar um draminha. Mas o que realmente importa é que essa série de sete desenhos (quatro deles na galeria) é mesmo de ciclistas, como havia planejado, e não de bichinhos ou estudos anatômicos. Nada contra as criaturinhas, mas é muito mais satisfatório desenhar uma de suas paixões do que pegar aleatoriamente um tema do qual você tem uma leve, quase coincidental, relação.

 

Idéia para um filme

Na tranquila cidade de Pandorga, seus cidadãos sobrevivem da construção de pipas de renomada qualidade. O que as tornas tão especiais é um tipo de bambu raro, muito leve e resistente, e que só cresce naquela região devido à composição química do solo, alterada por um cemitério de animais. Um dia um bando de hippies chega querendo cortar os bambus para fazer flautinhas, e mandam um dos seus, Avalon, para se socializar com os nativos e convencê-los a ceder o precioso material que eles chamam de Umbambutanium. Tarsila, filha do prefeito, recebe o forasteiro e mostra a importância do bambu para a economia da região, e como cultura e tudo mais está interligado, e o leva para soltar pipas. Eventualmente Avalon vira um exímio pandorgueiro e ganha o concurso de pipas da cidade. Apaixonado pela cultura e por Tarsila, Avalon se une à moça para juntos expulsarem os hippies da cidade em uma louca aventura.

O nome vai ser, preste atenção, Ava e Tar. Acho que dá Cannes.

Idéia para uma pegadinha

Montar uma loja no shopping ou em alguma área nobre com o nome de “Centro de Beleza e Estética Van Eyck”, com portas de vidro translúcidas. Ao entrarem, as senhoras e metrossexuais farão um muxoxo desapontados, pois verão apenas algumas mesas, estantes com livros de Walter Benjamin e Umberto Eco e uma escrivaninha com um senhor de monóculo lecionando sobre a Bauhaus.

Tatsutenkpenkpúgui!

Sei que me acho o ápice do cool hoje, mas quando tiver filhos com certeza as coisas que gosto vão ser encaradas com aquele típico desdém adolescente. Vão olhar para um Francis Bacon e dizer “Pô, que palha”.

Por isso vou aprender a jogar os novos jogos para embaraçá-los de propósito. Quando eles estiverem reunidos com os amiguinhos jogando Street Fighter XVIII, vou participar gritando gírias de antigamente.

– Olha só o chocão. Pimba! Viu só?

– Pô, pai, cê me mata de vergonha…

 

Dois artistas cinéticos

Theo Jansen, um alemão que faz criaturas movidas a vento com tubos e garrafas de plástico. A visão deles em uma praia deve ser umas das melhores experiências da vida, são impressionantes. O site do artista está aqui, e neste link há um vídeo para sua apresentação na conferência TED. No YouTube há uma série de vídeos com as criaturas em funcionamento.

Reuben Margolin é um norte-americano fascinado por ondas. Suas esculturas usam madeira, metal e outros materiais para recriar movimentos da natureza em trabalhos muitos delicados. Seu site está aqui, e no BoingBoing há um vídeo com suas obras.