bits e bytes

Black Mirror na vida real é pior do que eu pensava

Eu sempre me vi como o cara que abraça as novas tecnologias. Sempre quis ser o primeiro a testar intensivamente a última novidade em wearables, em ter chips implantados na pele, tatuagens de Led e essas viagens de biohacker. Sempre achei que seria capaz de acompanhar o cutting edge. Abracei as inteligências artificiais com força, falo de chatGPT e Midjourney sempre que posso, fiquei feliz da vida com as novas ferramentas de IA no Photoshop que criam imagens para tapar buracos.

Mas os sinais começaram a aparecer. Vieram as criptomoedas e NFTs, eu olhei praquilo achando que era uma bobagem para pegar trouxa e sem base na realidade, e ver um bando de carteiras virtuais quebrando meio que validaram meu ponto de vista.

Até que um dia o que eu temia finalmente aconteceu. Fiquei velho. Encontrei uma tecnologia nova que me causou repulsa. Tudo por causa dessa imagem:

Eca

Ela saiu de um vídeo da Apple demonstrando o uso de um par de óculos de realidade aumentada. A ideia é que você coloca eles e não precisa mais tirar pra nada. A vida real vai ser agora mediada por duas telas de alta resolução, o tempo todo. Você vai sentar para conversar com os amigos com essa aparência agora:

O sorriso diz “Oi” mas os olhos dizem “Socorro”

E isso me pareceu não só ridículo como muito, mas muito errado, viver atrás de uma máscara de ski com olhos digitais te encarando. É elevar o vício do smartphone à enésima potência, e nem eu que sou um viciado consigo aceitar essa coisa.

E o pior? Se fosse um par de óculos normais ou lentes de contato mágicas eu seria capaz de aceitar. Agora, isso? Esse é o futuro, usar um trambolho horroroso o tempo todo na cara?

Não dá. Fiquei velho, não sou mais um dos garotos descolados. Vou pegar um cobertor e um café, e ficar no sofá olhando com desdém os horrores tecnológicos que sairão a partir daí.

applevr Junho 7, 2023

bits e bytes

Mouse Mágico? Mas nem…

Uma das coisas que mais me impressiona com a Apple de hoje é a capacidade dela de pegar designs utilizados há décadas, aplicar conceitos novos de forma e estética, e produzir um resultado tão lindo no visual quanto merda no uso.

O Magic Mouse é o melhor exemplo da síntese desse conceito: pegar uma ferramenta testada e refinada por centenas de empresas e milhões de usuários por literalmente décadas, aplicar os conceitos sapatênis de inovação e design, e produzir uma bosta inacreditavelmente ruim de usar e linda de se ver. É um mouse que não se contenta em ser um ferramenta, mas uma manifestação clara do egocentrismo Apple: essa peça de tecnologia exige que você se lembre dele sempre, a todo o momento, em vez de simplesmente desaparecer como a extensão do braço que deveria ser.

Onde eu começo?

BATERIA

Deixa eu tirar da frente a crítica mais óbvia, a forma de carregamento do mouse. Se a bateria acabar você precisa virar o mouse e deixar ele feito uma barata morta em cima da mesa para conectar o cabo na parte de baixo:

Mágico!

Acabou a bateria? Perdeu o mouse até ele carregar. Ah, é só botar uma bateria nova? Nope, o mouse é selado. Alguns dizem que ele é assim para ter um design perfeitamente integrado (assim como o meu Pebble da Logitech que deixa eu trocar a bateria quando precisa).

A incrível tecnologia de tampa removível que a Apple ainda não domina.

“Ain, mas deixa ele parado uns minutinhos que ele carrega rápido, 5 minutos te dá meia hora de bateria!” Amigo, passa por isso quando você estiver no meio de uma entrega, com aqueles prazos bizarros onde o cliente precisa da arte pra ontem, e a praga do mouse fica apitando que precisa de carga a cada meia hora.

PESO

O Magic Mouse é pesado, mais pesado do que qualquer outro mouse que já usei na vida, sejam eles mouses caros ou baratinhos de 5 reais. Deve ser para dar aquela impressão de Premium, porque teoricamente pesado = melhor porque tem mais coisa dentro dele. No fim só é desconfortável, e tenho sentido uma tendência a ter mais tendinite com ele do que com o Pebble, que é bem mais leve.

Mais leve, e conecta com o computador via dongle ou bluetooth

RESISTÊNCIA

O Magic Mouse é feito por duas placas: uma de acrílico que arranha se você olhar diferente pra ela, e uma de aluminio dobrado. É bom você ser extremamente cuidadoso, porque qualquer queda amassa o alumínio, e se amassar na frente adivinha: você não consegue mais clicar. Há um espaço entre o acrílico e o alumínio para permitir esse movimento e uma dobra ali trava o botão. Para consertar você precisa tirar a tampa de acrílico do mouse (com MUITO cuidado para não quebrar os clipes de plástico que prendem ela no lugar, não arrancar o cabo do touchpad nem deformar a base de alumínio fininho) e dobrar o alumínio amassado pra fora, remoldando a peça para o que ela mais ou menos era, para liberar o botão, e aceitar que ele vai ficar marcado no processo.

MÁGICO

A P@##@ DO TOUCHPAD

Representação fiel de um dia de trabalho com o mouse da Apple

Mas a pior coisa, a que mais me tira do sério, a que quase me fez jogar o mouse na parede, é o fato da superfície dele toda ser um touchpad. Ou seja, você não pode simplesmente descansar a mão sobre o mouse, ela tem que ficar em uma posição de “garra”, segurando a parte metálica com a ponta do polegar e anelar, deixando o indicador e médio flutuando. Pensa na canseira que é isso depois de uma sessão de trabalho.

E eu já disse que a superfície dele toda é um touchpad? Pois é, a superfície dele toda é um touchpad. E um touchpad com a sensibilidade travada em 11, sem possibilidade de configurar. Aí qualquer toque, mesmo um esbarrão de leve, pode resultar num comando. Imagina a minha felicidade quando eu clico no tamanho de uma fonte no Illustrator, digito 12, e levo o cursor para outro lugar, e sem querer o dedo trisca de leve no touchpad, e a fonte que era 12 sobe para 20 porque a porcaria do mouse entendeu que eu arrastei a superfície como quem gira a rodinha do scroll do mouse, e lá vou voltar pra caixa pra corrigir o tamanho. Agora imagina isso acontecendo várias vezes durante o dia, em qualquer situação. Aperto command para selecionar mensagens no Outlook e BAM! a visualização da mensagem vai num zoom de 10%. Seguro command para abrir um link em outra aba BAM! zoom de 300% na página. Seleciono vários arquivos no Finder BAM! o ícone ficou do tamanho da janela.

Quem acha isso normal não está bem da cabeça.

CONCLUINDO

Já fui macmaníaco, mas por um motivo: a Apple se importava com seus usuários. Meu iBook, que antes de virar nome de aplicativo de leitura de livros era o nome de um notebook, tinha teclado e bateria removíveis e fazer manutenção era ridículo de fácil. O iMac era um pouco mais trabalhoso, mas não era impossível, e o mouse tinha uma trackball que era bem legal de usar. Até o iPhone era simples de manter, sem aquele terror de gastar uma grana caso ele quebrasse, e as formas de interação faziam sentido.

Hoje? Os executivos daquela empresa estão tão cheirados da própria arrogância que lançam qualquer porcaria dizendo que “revolucionaram”, tornando a vida do usuário pior a cada produto. Estragaram o software com bugs e interfaces mal pensadas, quem somados ao hardware “inovador” tornam a experiência geral cada vez mais insuportável. Continuando assim a Apple volta ao que era nos anos 90, uma linha incompreensível de produtos com uma interface horrorosa. A diferença é que eles agora estão montados na grana e podem manter essa palhaçada por um longo tempo…

apple Abril 23, 2023